domingo, 12 de outubro de 2014



Download de Revistas Crás! nºs 01 e 02 

(dentro em breve, as edições de números 03 e 04 estarão, também, disponíveis)

É com grande orgulho que postamos aqui os links para baixar os números iniciais desse clássico dos quadrinhos do Brasil. Eles também estão disponíveis no prestigioso Blog Gibis Clássicos (http://gibisclassicos.blogspot.com.br/2013/11/cras-n-1-e-n-2-editora-abril-homenagem.html). Esperamos contribuir, também, com aqueles que estudam mais a fundo a história dos quadrinhos no Brasil.

Essa saudosa revista, iniciou sua publicação há precisos 42 anos (fev 1974); marcou época (teve somente seis números
 e quatro derivados no período de sua publicação, entre 1974-76) entre a geração que hoje está na faixa dos 50 anos. Foi a primeira tentativa nacional, editada pela Editora Abril, de se reunir, numa só revista, personagens e temas variados (humor e drama). Um personagem, Satanésio, ganhou revista própria.

Quando possível, postaremos aqui, para baixar, os outros números de Crás! e correlacionados. Agradeceríamos a todos aqueles que colaborarem, enviando-nos scans de Crás! inéditos aqui e que queiram partilhar conosco. Podem enviá-los para hqpoint@gmail.com.

Boa leitura.




Revista Crás! nº01 (fev 1974): http://www.mediafire.com/download/y6nntif0jojaxh7/CRAS-01-QA.cbr



Revista Crás! nº02 (maio 1974): http://www.mediafire.com/download/5cpmmc4r47q4v4m/CRAS-02-QA.cbr



Revista Crás! nº03 (nov 1974):  (Aguardando digitalização)


Revista Crás! nº04 (abril 1975): (Aguardando digitalização)


Revista Crás! nº05: (Aguardando digitalização)


Revista Crás! nº06: (Aguardando digitalização)





quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Revista Crás!: Quadrinhos Brasileiros e Indústria Editorial 

 

Leia interessante matéria publicada no site Redalyc: 

http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=143016767009

e matéria em pdf do site Intercom:

http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2008/resumos/R3-0539-1.pdf





Renato Canini (1936-2013)

Cartunista. Ele foi um ilustrador brasileiro, conhecido por seu trabalho em diversas publicações, como "O Pasquim", "Pancada" e para a Editora Abril, onde ilustrou histórias em quadrinhos da Disney e destacou-se desenhando o personagem Zé Carioca, ao qual atribuiu seu traço pessoal e uma identidade mais brasileira, distanciando notavelmente este personagem do estilo Disney original.
Nascido em Paraí, na Serra Gaúcha, Canini viveu em Frederico Westphalen até a morte de seu pai, aos dez anos idade, quando foi morar com uma avó e uma tia em Garibaldi.
Fã de Elvis Presley, música evangélica e italiana, vivia em Pelotas, Rio Grande do Sul, com a esposa Maria de Lourdes, também desenhista, a quem conheceu quando ela desenhava charges para o Diário de Notícias, de Porto Alegre. Em 14 de outubro de 2005, foi condecorado pela Câmara de vereadores da cidade com o título de "Cidadão Pelotense".




Fonte: Wikipedia http://pt.wikipedia.org/wiki/Renato_Canini


Revista Crás - Origem





A Crás foi uma experiência da editora Abril na fase mais pujante de sua produção de quadrinhos, a chamada “Era Pato”. As tiragens variavam de 200 a 500 mil exemplares num tsunami de 4 milhões de revistas por mês, e os patos, cães e camundongos também invadiam manuais, enciclopédias e edições nostalgia de capa dura. Parte respeitável do material era feita no departamento de infanto-juvenis da Abril que empregava 130 pessoas, das quais 30 eram desenhistas e roteiristas.

Foi então – nos informa Gonçalo Júnior em seu minucioso “O Homem Abril” – que o editor Cláudio de Souza, desde 1971 no comando dos infanto-juvenis, propôs a criação de uma revista só de autores nacionais e suas criações, nos moldes das europeias “Linus” e “Pilote”. A “Crás” era uma verdadeira salada de estilos e personagens, misturando veteranos e novatos, temas folclóricos e internacionais, desenho realista e cartum, e vários participantes eram prata da casa.

Na visão de Cláudio a "Crás" não precisava dar lucro, seria uma revista-laboratório cujos personagens eventualmente poderiam ganhar revista própria (como aconteceu com Satanésio, de Ruy Perotti).

Primórdios da "Crás": os movimentos pela HQ nacional

De certa forma, Cláudio de Souza, por vias editoriais, atendeu aos anseios dos movimentos pelo quadrinho nacional de uma década atrás, quando foi criada a Cooperativa e Editora de Trabalho de Porto Alegre (CETPA), em 1962. Naquela experiência Canini também participava fazendo o cartum em tiras “Zé Candango” – candango era o migrante que construiu Brasília – criação do diretor da CETPA, Zé Geraldo. De cunho marcadamente ideológico, a tira sacaneava os arquétipos do “imperialismo ianque”, representado por heróis e “mocinhos” do faroeste (ideia reaproveitada por Ziraldo nos “Zeróis” em 1967 no JB e depois no Pasquim).

[caption id="attachment_1570" align="alignnone" width="242"]caricatura de Gene Barry do seriado Bat Masterson, na tira "Zé Candango" caricatura de Gene Barry do seriado Bat Masterson, na tira "Zé Candango"[/caption]
Mas em 1974, no final do governo Médici, é claro que Canini não iria fazer um libelo anti-americano com Kactus Kid. Ele até que tentou sutilmente assinalar sua rebeldia: o nome original do pistoleiro era Koka Kid, porém mudaram o nome para Kaktus sem consultar o autor (estranhíssimo esse “Koka” – conotações políticas à parte, “Kactus” ficou muito melhor). Mas Kactus, ainda que tivesse permanecido Koka, jamais poderia personalizar a arrogância imperialista atribuída aos americanos, seu papel de xerife do mundo, guardião da lei e da ordem. Kaktus Kid, aliás, Zeca Funesto, é um dos personagens mais indigentes da HQ, ao lado de Rango e Zeferino.

Como Zé Carioca, atormentado pelos cobradores da Anacozeca (Associação Nacional dos Cobradores do Zé Carioca – criação do roteirista Paulo Paiva, editor e cartunista de “Chico Peste”), o pacato e esfomeado coveiro Zeca Funesto também é “perseguido pelos credores”. Tudo na HQ é penúria, miserê; na parede de tábuas, contas e mais contas; nada funciona como devia, até a cidade estagnada tem o nome de “Deskansas City”. O remédio de Zeca Funesto é se transformar em Kactus Kid para matar uns bandidos e conseguir “fregueses”.

Uma reflexão sobre a revista Crás! 

Produto que mistura diversas tendências do quadrinho brasileiro daquele
momento com a experiência editorial de uma empresa voltada para o mercado, a revista
Crás!pode ser entendida como uma proposta ousada no sentido de tentar difundir a
produção quadrinhística nacional a um público acostumado às histórias em quadrinhos
mais tradicionais e comerciais. No entanto, parece ter se tratado muito mais de uma
iniciativa ligada ao idealismo de editores e artistas que trabalhavam naquele momento
na editora Abril do que propriamente de uma estratégia institucional dessa grande casa
publicadora no sentido de abrir o mercado para as produções nacionais.
Nessa iniciativa havia ainda uma clara intenção de valorizar a linguagem das
histórias em quadrinhos como legítima forma de manifestação artística, o que é
fortalecido pela série de matérias apresentada na segunda e terceira capas das revistas,
enfocando a História da história em quadrinhos no Brasil. Num total de seis capítulos,
esses textos sinalizavam ao leitor que o produto que este tinha em mãos dava
continuidade a uma tradição de narrativa gráfica seqüencial, da qual o Brasil fazia parte.
No entanto, embora pareça evidente que tal inserção era recebida com bons olhos por
leitores já envolvidos no ambiente de quadrinhos, para quem essas informações apenas
aprofundavam conhecimentos familiares, é questionável se a mensagem era recebida da
mesma forma pelo leitor comum das revistas da editora. Para este leitor, talvez a
inclusão desse tipo de material representasse apenas um incômodo ou uma distração em
relação ao conteúdo que realmente lhe interessava ler.
Como produto editorial, a publicação apresentava várias divergências em relação
aos produtos que a editora Abril colocava então no mercado, basicamente revistas
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Natal, RN – 2 a 6 de setembro de 2008
10
infantis do gênero funny animalscom personagens já conhecidos pelos jovens leitores -
caso das revistas Disney -, e de títulos com grupos de crianças já disseminados em tiras
de jornal, que então se firmavam no mercado – as revistas do desenhista Maurício de
Sousa. Desta forma, a proposição da revista Crás!constituía uma aposta arriscada no
sentido de atingir, ao mesmo tempo, tanto leitores dessa faixa como de uma faixa etária
diversa, apostando na resposta positiva, porparte deles, a um grupo de personagens
totalmente desconhecido. Acrescenta-se a issoo fato das primeiras quatro edições do
título serem consideradas parte do selo  Diversões Juvenis (2
a
Série), destinado a
apresentar aos leitores personagens ainda desconhecidos, como  Abbot e Costello, A
Pantera Cor-de-Rosa, Folias Romanas, O Gordo e o Magro, entre outros, com alguns
deles ganhando publicações próprias.
Infelizmente, a reação dos leitores, pelo que se pode depreender de algumas
manifestações inseridas no número 2 da revista, foi no mínimo contraditória. Por um
lado, parte deles aplaudiu a iniciativa, entendendo-a como meritória e bem intencionada
no objetivo de valorizar os quadrinhos nacionais. Por outro lado, não faltou quem, como
o leitor Mauro Sérgio Silva Osório, estranhasse a linha editorial adotada pela revista: “O
que me intrigou foi que vocês reuniram os mais diversos traços de desenho, em uma só
revista. O traço não teria que ser uniforme do começo ao fim?” Outros, por sua vez,
questionaram a mistura de estilos e gêneros. Foi o caso de Alex Kauffman, que se
manifestou da seguinte forma: “Esta revista apresenta histórias sérias e leves, o que, a
meu ver, não é muito bom”.
A única voz feminina entre os leitores descontentes com a revista parece ter sido
a de Adriane Eli de Souza Sandano, de Niterói, que inquiriu os editores: “Se CRÁS! diz
que aceita trabalhos de amadores e profissionais, por que vocês já começaram
publicando trabalhos de desenhistas consagrados? Isso não limitaria muito a chance dos
amadores?”
Mesmo que se possa argumentar que as cartas incluídas na seção de
correspondência constituem uma amostra viciada, na medida em que escolhidas pelos
editores e publicadas de forma equilibrada, com três delas favoráveis e a mesma
quantidade contrárias à linha editorial adotada pela revista, elas são emblemáticas no
sentido de evidenciar o entendimento coletivo do público leitor sobre a proposta da
revista. Essa compreensão provavelmente estevena raiz da resposta insatisfatória que o
título obteve em termos de venda, razão de sua futura descontinuidade. Segundo o
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Natal, RN – 2 a 6 de setembro de 2008
11
desenhista e roteirista Primaggio Mantovi, um dos colaboradores da revista Crás!, ela
chegou a vender 80 mil exemplares, quando a resposta esperada era de pelo menos 100
mil (apudNARANJO, 2005).
Questões relacionadas às próprias características do mercado de consumo no
país podem igualmente estar no fundo da mal sucedida tentativa de publicação da
revista Crás!Nesse sentido, é importante lembrar que a primeira metadeda década de
1970 representou um momento de incerteza para a sociedade brasileira. Recentemente
agredida por uma medida institucional que limitava grandemente as liberdades
individuais e cerceava a livre organização, a população, de uma maneira geral, vivia
uma situação de indecisão entre a acomodação ao existente e o desafio do novo,
convivendo com as conseqüências que a segunda opção podia trazer. Assim, manter-se
ligado àquilo que era conhecido e aceito parecia ser uma alternativa mais viável para
grande parte do público consumidor brasileiro, que se satisfazia, em suas tradicionais
incursões consumistas às bancas de jornal, com os produtos de costume. Arriscar-se
com outros não lhe trazia vantagens imediatas. Pelo contrário.
Pode-se afirmar que a situação mudou nas décadas seguintes, à medida que a
normalidade democrática voltou a se impor no país e as nuvens da repressão foram
pouco a pouco se afastando. Mas, na época de lançamento da revista Crás!, elas eram
ainda demasiadamente pesadas para qualquer reversão de expectativas. Assim, é
possível imaginar que, mais que por ser fruto de um excesso de idealismo de editores e
artistas, a revista também deve sua curta vida ao fato de estar adiante de seu tempo.
Por outro lado, um terceiro fator não pode ser desconsiderado na análise da
experiência de publicação de uma revista de temas e personagens variados de
quadrinhos em uma grande editora: a inexperiência de autores brasileiros com a
manutenção de histórias seriadas. Parte dos autores envolvidos com a revista Crás!ou
não tinha relações contratuais com a editora Abril, ou, por outro lado, acrescentava a
colaboração para a revista às muitas responsabilidades que tinha em relação à editora.
Ela representou, assim, um fardo a ser carregado por muitos deles, o que gerou
dificuldades para manutenção de qualquer periodicidade para o título. É o que parece
comprovar a verificação do intervalo de lançamento entre as edições da revista, que às
vezes chegou a atingir mais de quatro meses. Em um mercado basicamente sustentado
pelo colecionismo, a irregularidade de lançamentos representava uma barreira a mais –
e talvez a decisiva -, para a fidelidade dos leitores. Assim, não seria injusto afirmar que
aspectos relacionados à organização interna para a publicação da revista influíram
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
XXXI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Natal, RN – 2 a 6 de setembro de 2008
12
grandemente em sua trajetória. Talvez ela tenha se tornado refém de limitado
planejamento editorial, surgindo prematuramente no mercado, sem ter todas as suas
necessidades de produção devidamente equacionadas. Nesse sentido, um dos
colaboradores mais destacados da Crás!, o desenhista Ruy Perotti, salientou que os
quadrinhistas tinham dificuldade para cumprir os prazos exigidos pelos editores, o que
agravou a falta de periodicidade da publicação
4
.
Fonte site Intercom: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2008/resumos/R3-0539-1.pdf

Capas de Crás! e Satanésio

Infelizmente, houve um número muito limitado dessas legendárias revistas publicadas pela Editora Abril, no período fevereiro 1974 - julho 1976. Eis suas respectivas capas:





Crás 1


Crás! 2


Crás! 3


Crás! 4


Crás! 5


Crás! 6


Satanésio 1


Satanésio 2


Satanésio 3



Satanésio 4